Laguna

Empresa pretende investir no aeroporto Anita Garibaldi

Publicado em 14/01/2015 às 18:13 - Atualizado em 14/01/2015 às 18:13

Representantes da empresa Galaxy Aero estiveram reunidos nesta quarta-feira, dia 14, com o prefeito Everaldo dos Santos. Na pauta, a instalação de um galpão para fabricação de aeronaves (modelo GA 620), no aeroporto Anita Garibaldi, na região da praia do Sol. 

Com investimento inicial de R$ 18 milhões, a Galaxy Aero pretende produzir bimotores com capacidade até de seis passageiros, incluindo o piloto. Classificada na categoria conforto, será voltada ao consumidor que procura aviões de luxo. No mercado poderá chegar a US$ 1.135 milhão de dólares.

O monomotor, que ganhou o nome de Galaxy GA 620, foi projetado por engenheiros de São Paulo e técnicos que atuaram na Boeing. Segundo Nilton Góes, da Galaxy Aero o uso da fibra de carbono em monomotores é inédito. O material, mais leve, deve garantir uma economia de 25% no consumo de combustível.

No lado de dentro, o projeto investe em conforto, poltronas espaçosas, sistema inteligente de comando de iluminação Interna, som, TV e ar condicionado digital.

A expectativa é que a empresa produza de 15 a 20 aeronaves por ano. Além da Galaxy Aero, o empresário Nilton Góes, de Itajaí, também é proprietário da empresa Autos Fibra, que produz e exporta para o mundo todo protótipos de automóveis como Ferraris, Lamborghinis e Bugattis.

O prefeito classificou a escolha pelo aeroporto de Laguna como uma excelente oportunidade para geração de emprego e renda. “Vamos estudar a possibilidade se realizar uma cessão de uso na área do aeroporto”, explicou  Santos. Também foi discutido a busca por incentivos fiscais para a instalação do galpão na terra de Anita. 

Saiba mais:

Localizado na Praia do Sol, o aeroporto tem registro na ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil). A área de 351 metros quadrados possui pista com 1,5 mil metros de comprimento, que pode ser ampliada.

O aeroporto foi criado em 1982 e dez anos depois através de um convênio com o estado (STO -17/92), a área passou a ser do município.